CINCO MOTIVOS PARA PAIS E EDUCADORES APOIAREM OS GAMES

jogos digitais

A 10° edição da Brasil Game Show (BGS), maior feira de games da América Latina, aconteceu em São Paulo em Outubro. Ano passado o evento levou mais de 300 mil jovens. A expectativa para este ano foi ultrapassar 400 mil brasileiros. Além da BGS, os milhares de brasileiros visitaram durante o ano a maior exposição itinerante de videogame do país, o Museu do Vídeo Game.

O que esses dois eventos têm em comum? Além de ambos oferecerem a oportunidade de jogar games exclusivos ou relembrar os consoles do passado, revelam que a tecnologia modifica não somente as nossas relações sociais mais também a forma como aprendemos. Captar a atenção do jovem, com tantos meios digitais, parece ser uma tarefa árdua para pais e professores.

A solução então é proibir o uso do vídeo game? Augusto Jimenez, psicólogo e educador há mais de 10 anos na rede Minds Idiomas, mostra exatamente o oposto. “Os games vieram para ficar desde o Atari Pong – primeiro console doméstico da Atari. Proibir a criança ou o pré-adolescente de ter interação por meio desses jogos é limitá-los de fazer parte do grupo de amigos e ainda diminuir a capacidade de atenção visual seletiva deste jovem”, explica o psicólogo.

Pensando nisso, Jimenez listou cinco motivos para pais e gestores educacionais apoiarem o uso do vídeo game dentro e fora da sala de aula:

1) Profissões digitais são as que mais empregam no país e no mundo
Já há graduações como Jogos Digitais, Design e Planejamento de Games em algumas faculdades do Brasil. Para ter ideia à remuneração nesta área vai de R$ 4 mil a R$ 20 mil, segundo a instituição de ensino Impacta. Os estudantes podem atuar como programador, Game designer, entre outros. E isso tudo começa na infância\ adolescência. Logo, os pais podem limitar a quantidade de horas que os filhos jogam, mas jamais proibir. A tecnologia veio para ficar e uma diversão como os games pode ser o futuro profissional do seu filho (a).

2) Jogar vídeo game eleva a atenção visual das crianças
O estudo foi publicado na revista Nature e feito pela Universidade de Rochester, Estados Unidos. Comprovou que pessoas que jogam vídeo game aumentam a capacidade seletiva visual e tendem a ser mais rápidos na tomada de decisão. Há muitas empresas, do mundo todo, que usam desde vídeo games a jogos de tabuleiro em seus processos seletivos. Para checarem a atenção e personalidade do candidato.

3) Aguça o instinto de investigação
Quando os professores unem educação com games cria-se o processo conhecido como gamification. Trata-se da captação de conhecimento por meio dos jogos. Há 2 anos desenvolvemos essa técnica na Minds e os nossos alunos (a) mudaram de nível 30% mais rápido. Segundo o instituto Buck de educação quando cria-se um jogo envolvente concomitantemente o estudante desenvolve uma necessidade de saber.Isso faz com que ele assimile o conhecimento de forma mais orgânica, leve.

4) Estreita laços entre pais e filhos
Andando pela Brasil Game Show era possível identificar pais e filhos, diferentes gerações, e uma paixão que os une. O amor aos games. A vida profissional dos brasileiros (a) exige muitos dos pais e mães, e reservar uma hora diária para jogar com os filhos estreitará laços. Os pais, dessa forma, estarão fazendo parte de algo que os filhos têm apreço e ainda podem se divertir juntos.

5) Vídeo game não é sinônimo de sedentarismo
Há games como Just Dance e Guitar Hero que provam isso! Crianças e jovens perdem gordura dançando e tocando instrumentos. Além disso, esses jogos estimulam a interação com outras crianças. O que gera o sentimento de pertencimento de grupo.

Readers Comments (1)

  1. Exatamente! Eu sempre digo aos meus sobrinhos que comecem aprender profissões digitais, como games ou marketing digital. Hoje eu vivo tranquilamente de consultoria de seo como autônoma e nunca mais voltarei ao CLT.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: