Google for Education muda rotina de alunos de João Pessoa

Já se foi o tempo em que o máximo de tecnologia vista nas salas de aula eram velhas televisões exibindo vídeos sobre esse ou aquele assunto. Hoje em dia, smartphones, tablets e computadores são a porta de entrada para um mundo de informação ao alcance de todos, e professores buscam a cada momento novas maneiras de engajar seus alunos. Um bom exemplo é o uso da solução Google for Education (GFE) pelo Colégio Motiva, de João Pessoa.

O GFE é uma plataforma gratuita que apresenta soluções de educação da gigante da tecnologia para educadores e alunos, através de uma experiência inovadora e simples para dentro e fora da sala de aula. De acordo com Alexandre Campos, head de GFE no Brasil, as ferramentas possuem simplicidade, mobilidade, facilidade e suporte próprios dos produtos Google: “vivemos em uma sociedade cada vez mais conectada, na qual alunos costumam fazer perguntas não apenas a seus pais, mas também na internet, em sites, blogs e canais do YouTube, por exemplo. Ao unir instituições de ensino e tecnologia, a plataforma aproxima alunos de suas respectivas escolas e professores, pois atende às expectativas deles pela inovação e uso de tecnologias em sala de aula, atingindo motivação, maior engajamento e desempenho”, explica.

A tecnologia está no Brasil desde 2004 e promete melhorar o desempenho das turmas, ao possibilitar ao educador manter o aprendizado personalizado. “Já os alunos ganham com a mobilidade e a facilidade da plataforma, aproveitando melhor o tempo de aprendizagem”, explica. Por ser gratuita, pode ser adotada por qualquer instituição de ensino: “Desde que provem que são, de fato, escolas, basta preencher um formulário online para solicitar o uso da plataforma, disponível em gg.gg/gfedu“, avisa o executivo.

Campos acredita que a educação brasileira precisa se adaptar às demandas atuais. “As tecnologias do passado, em sua maioria caras e muito complexas para grande parte da população, não conseguem atender aos objetivos que a educação necessita para se manter atualizada e muito menos possibilitam a construção de um ensino mais inclusivo. A plataforma permite simplificar a vida do educador no mundo digital e resgatar o encantamento e a inovação dentro e fora da sala de aula, ao propor um ambiente dinâmico, móvel e fácil de ser utilizado tanto na perspectiva dos alunos quanto dos educadores”.

Segundo a diretora do Motiva, Ana Patrícia Matos, a inserção das novas ferramentas digitais torna as aulas mais atrativas para essa geração que já nasceu conectada, potencializando o ensino-aprendizagem. “O nosso objetivo é incentivar cada vez mais o estudo dentro e fora do ambiente escolar através dessas plataformas, educando o aluno para saber lidar com a tecnologia de maneira consciente, saudável e proveitosa”, explica.

Para tomar a decisão de formar parceria com o GFE, a escola fez diversas visitas à instituições de referência dentro e fora do Brasil. “Procuramos os resultados alcançados; como a plataforma conseguiu auxiliar positivamente no campo pedagógico e, por fim, tomamos a decisão. Foram alguns anos de muita pesquisa, reuniões e conversas entre as equipes. Em todo o mundo, mais de 70 milhões de alunos e professores usam os aplicativos do GFE e mais de 20 milhões interagem com o Google Sala de Aula, um ambiente virtual para o desenvolvimento de atividades, avaliações e inserção de mais conteúdos”, revela.

Recepção – A adoção a plataforma pelo colégio foi bem recebida pelos alunos. “O universo deles já é esse. Quando souberam que poderiam unir aprendizagem com tecnologia ficaram bastante animados. A cada apresentação que a escola fazia dando uma ideia das inúmeras possibilidades que a plataforma iria oferecer, notávamos a empolgação e os olhinhos brilhando. Com os familiares, a empolgação e curiosidade foram as mesmas”, comemora a diretora.

Na prática, o maior benefício da ferramenta é no ensino-aprendizagem. “Os diversos aplicativos do GFE ofertam possibilidades tanto para o professor construir suas aulas como para o aluno conseguir ir mais além; de uma forma muito mais divertida, dentro da realidade desta geração. Ao contrário de que muitos pensam, quando inserimos uma aula conectada – com o uso da internet ou óculos de realidade virtual -, as atividades fluem com mais tranquilidade, sem tanta dispersão ou conversa. A prática, mesmo recente, nos mostra que a inserção das tecnologias, quando bem geridas e orientadas, só trazem benefícios para professores e alunos, assim como para escola como um todo”, conclui a educadora.

Sobre Iúri Moreira 565 Artigos
Jornalista, músico, fotógrafo, marido de Isabela, pai de Arthur, fã dos Beatles e do Iron Maiden. Geek e cinéfilo, também é viciado em seriados e games. Nas horas vagas, pode ser encontrado gravando no homestudio, mexendo na moto, cozinhando ou desmontando algum equipamento eletrônico.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*