Provedores regionais lideram crescimento do acesso à Internet

Provedores

Você sabia que todo mês mais de 130 mil novos clientes de banda larga são ativados por provedores regionais no Brasil? O dado foi apresentado durante coletiva de Imprensa da Intelbras, que está participando da FutureISP, um dos principais eventos tecnológicos e maior focado em provedores e operadoras regionais de telecomunicações do Brasil. O evento começou nesta quarta-feira (09/05) e vai até sexta (11/05), no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda.

De acordo com o diretor de unidades de redes da empresa, Amilcar Schaffer, o Nordeste representa 29% dos negócios em redes da Intelbras, sendo a região de maior representatividade do País. “A região tem mantido crescimento acima dos 30%, maior que todas as outras regiões do Brasil”, revela. Muito desse crescimento pode ser atribuído aos provedores regionais. “Setenta por cento dos novos acessos à Internet do País são feitos a partir de provedores regionais. De cada cinco ativações, quase quatro são realizadas por provedores regionais, pois as grandes operadoras decidiram não atender o interior e grande parte da periferia do País”, revela Schaffer.

Amilcar Schaffer

Para se ter uma idéia desta realidade, em 30% dos municípios do Nordeste, os provedores regionais são os principais ou únicos fornecedores de Internet. “Setenta por cento dos provedores regionais atendem até mil assinantes e 80% atuam em cidades com menos de 30 mil habitantes. Assim, o que os provedores regionais fazem é um trabalho de inclusão muito importante”, avalia Schaffer.

Atualmente, mais de nove mil provedores regionais brasileiros possuem outorga na Anatel, e cerca de 5 mil estão funcionando, dos quais 21% estão no Nordeste. Eles também lideraram o crescimento do acesso à banda larga do País em 2017. “Provedores regionais são a 4ª operadora do País, com 16% de share, apenas atrás de Claro (31%), Telefônica (28%) e Oi (21%). O provedor regional tem nome, porta e endereço, possuindo uma relação de confiança com a população. Essas empresas são responsáveis por mais de dois terços do aumento da banda larga, de 3,05 milhões para 4,67 milhões no último ano”, conta.

Desigualdade – Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 30% dos lares brasileiros ainda não possuem acesso à Internet, incluindo aí o celular. “O retrato da desigualdade no País é que cerca de 250 cidades que contêm 51% da população são responsáveis por 77% dos acessos no País e quase 50% deles com velocidade superior a 12 megabits, de acordo com um estudo da consultoria Teleco. Enquanto isso, os outros 49% da população somam apenas 23% dos acessos, com quase 50% deles com velocidades inferiores a 2 megabits”, revela.

No Brasil, o Maranhão obteve maior crescimento em números relativos de assinantes, com 55 mil novos clientes (aumento de 25%), seguido pelo Ceará, com 135 mil novos assinantes e 22% de aumento. Ainda assim, o Nordeste continua sendo a região mais carente de conexão, com 43,4% de domicílios sem acesso à Internet (Norte – 37,6%, Sudeste – 28,7%, Centro-Oeste – 25,3% e Sul – 23,3%). Por isso, a tendência é que o mercado se mantenha aquecido: “A necessidade do aumento de banda, por conta do streaming e IoT, gerou o fenômeno da fibra ótica, e atualmente os provedores regionais consomem mais fibra que as grandes operadoras”, avisa Schaffer.

Pernambuco – O Estado possui um mercado crescente de provedores regionais de Internet. Segundo dados da Anatel, os provedores regionais tiveram um crescimento de 167% nos últimos dois anos. “De janeiro de 2015 a dezembro de 2017, os provedores adicionaram 77.753 acessos à banda larga fixa, sendo responsáveis por 23% das conexões de Pernambuco”, conta Basílio Perez, presidente da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint).

Segundo André Felipe Rodrigues, diretor técnico da Abrint, esse crescimento se atribui ao fato de que muitos serviços que dependem de Internet foram criados e popularizados nos últimos tempos. “Rede sociais e serviços de streaming são alguns desses. As grandes operadoras têm apresentado uma atuação menor na periferia e em cidades distantes dos grandes centro, o que tem gerado oportunidades para a atuação do provedores regionais para atender as demandas dessas regionais e, consequentemente, o crescimento deste mercado nos últimos anos”, avisa

Mas é preciso ter atenção aos gatos de Internet. “O usuário pode consultar no site da Anatel se a empresa tem licença para funcionar ou solicitar que essa empresa mostre a autorização da Anatel para prestar serviço de telecomunicações. No entanto, existem alguns fatores que ajudam nessa consulta. Geralmente, os provedores têm sites com o nome de sua empresa, equipe de atendimento que utiliza Equipamento de Proteção Individual (EPI), estão uniformizados, existe um contrato, boleto bancário da mensalidade e nota fiscal do serviço. Um “gatonet” geralmente tem equipe muito reduzida e não atende com um padrão de qualidade aceitável, pratica preços muito baixos e, geralmente, estão localizados em uma pequena região”, conclui Rodrigues.

Confira a lista de provedores regionais de Pernambuco.

Sobre Iúri Moreira 514 Artigos
Jornalista, músico, fotógrafo, marido de Isabela, pai de Arthur, fã dos Beatles e do Iron Maiden. Geek e cinéfilo, também é viciado em seriados e games. Nas horas vagas, pode ser encontrado gravando no homestudio, mexendo na moto, cozinhando ou desmontando algum equipamento eletrônico.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*