Site usa algoritmos para criar pessoas que não existem

Pessoas que não existem

Olhe bem para esta foto. Olhou? Pois trata-se de um rosto criado por uma inteligência artificial baseado em um conceito chamado Generative Adversarial Networks (GAN), ou Redes Adversariais Geradoras, em tradução livre. São pessoas que não existem, baseadas na reunião aleatória de características físicas de várias faces, de modo a criar um rosto totalmente novo via algoritmo.

A experiência pode ser conferida no link thispersondoesntexist.com e tem por objetivo demonstrar a capacidade das redes neurais antagônicas. Usando um código da Nvidia, o engenheiro da Uber, Philip Wang, conseguiu criar um catálogo de rostos de pessoas que não existem que varia cada vez que os usuários atualizam o site.

O código que tornou possível esse site assustador, para dizer o mínimo, foi apresentado em um artigo que está disponível antes da revisão no arXiv. Chamada de StyleGAN, a rede neural tem infinita aplicabilidade para tudo, desde jogos até a criação de documentos falsos.

Wang descreveu sua motivação para compartilhar o site em um post no Facebook: “Decidi despertar um pouco de consciência pública para essa tecnologia. Os rostos são mais importantes para a nossa cognição, então decidi colocar esse modelo pré-treinado específico. Cada vez que você atualizar o site, a rede gerará novas pessoas que não existem a partir do zero, em um vetor de 512 dimensões”, escreveu.

Como funciona – Todos os GANs possuem duas redes: o gerador e o discriminador. O gerador sintetiza novas amostras do zero e o discriminador coleta amostras dos dados de treinamento e da saída do gerador e prevê se elas são “reais” ou “falsas”. O gerador recebe um vetor aleatório (ruído) e, portanto, sua saída inicial também é ruído.

Depois de receber feedback do discriminador, ele aprende a sintetizar imagens mais “realistas”. Simultaneamente, o discriminador também está aprendendo comparando amostras geradas com amostras reais, tornando mais difícil para o gerador enganá-lo.

O GAN foi introduzido em 2014, mas foi só em 2017 que os pesquisadores conseguiram criar imagens de 1024 x 1024 de alta qualidade. StyleGAN baseia-se neste trabalho anterior, mas agora permite aos pesquisadores mais controle sobre recursos específicos.

Eventualmente, essas GANs poderão ser utilizadas ​​para desenvolver mundos virtuais completos usando métodos automatizados em vez de codificação rígida. Eles também têm a possibilidade de serem usados ​​para criar modelos 3D realistas para uso em publicidade e outras oportunidades de branding.

Embora seja emocionante, é impossível não imaginar  o uso da tecnologia para o mal. Usar rostos de pessoas que não existem para criar perfis falsos para aplicação de golpes, por exemplo. Ou contribuir com DeepFakes e aquelas imagens geradas por computador sobrepostas a imagens ou vídeos existentes, que podem ser usadas para enviar notícias falsas. Bizarro.

Sobre Iúri Moreira 702 Artigos
Jornalista, músico, fotógrafo, marido de Isabela, pai de Arthur, fã dos Beatles e do Iron Maiden. Geek e cinéfilo, também é viciado em seriados e games. Nas horas vagas, pode ser encontrado gravando no homestudio, mexendo na moto, cozinhando ou desmontando algum equipamento eletrônico.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*