Smartphones são os novos vilões para o sono das crianças

Se, antigamente, o medo do escuro era motivo de ansiedade para as crianças na hora de dormir, o vilão do sono mudou de forma e se transformou em um aparato tecnológico de ponta – para o desespero dos pais. Os smartphones, que entram na vida das crianças cada vez mais cedo, têm provocado várias alterações no sono e trazem malefícios à saúde.

Uma pesquisa realizada pelo King’s College, em Londres, revelou como esse hábito provoca problemas no comportamento e na parte fisiológica dos pequenos. Para isso, avaliou mais de 125 mil crianças e adolescentes na faixa entre 6 e 19 anos de idade. A primeira disfunção detectada já era de se esperar: uma queda considerável na qualidade do sono. Entretanto, questões como a obesidade infantil e até mesmo a depressão foram identificadas nessa amostra, o que evidenciou a proporção desse problema para os pais, para a saúde pública e mesmo para as empresas de tecnologia.

Os hormônios relacionados ao sono, à saciedade, ao crescimento e à estabilidade emocional são alterados com o uso do aparelho, o que pode levar às disfunções mencionadas. Além disso, a luz insistente da tela confunde o corpo – que deveria produzir melatonina à noite, no escuro – e faz com que a criança acorde mais vezes durante o período, tenha dificuldades para pegar no sono a apresente problemas de memória e aprendizagem devido à falta de repouso adequado.

A repercussão de pesquisas como a do King’s College chegou a tal nível que um grupo de investidores redigiu uma carta aberta à Apple pedindo que a empresa elaborasse dispositivos para limitar o uso dos smartphones a crianças e jovens. Enquanto isso não acontece, os pais podem tomar algumas medidas, como tirar o celular dos pequenos cerca de 1 hora antes de dormir. E não vale deixar o aparelho no quarto, pois a expectativa de ver novas mensagens também pode tirar aquele sossego tão importante para embalar uma noite de sono restauradora.

Leia também:

Google for Education muda rotina de alunos de João Pessoa

Em 2021 será possível identificar remédios falsos com o smartphone

Professor do CIn-UFPE cria app para economizar a bateria do celular

 

Sobre Iúri Moreira 563 Artigos
Jornalista, músico, fotógrafo, marido de Isabela, pai de Arthur, fã dos Beatles e do Iron Maiden. Geek e cinéfilo, também é viciado em seriados e games. Nas horas vagas, pode ser encontrado gravando no homestudio, mexendo na moto, cozinhando ou desmontando algum equipamento eletrônico.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*