Black Friday: pronto para se defender dos golpes?

Cibercrimes

Nesta sexta (24) acontece a Black Friday, data que inaugura a temporada de compras natalinas com significativas promoções no varejo nacional e internacional. De acordo com estatísticas do Google , mesmo com a baixa econômica dos últimos anos, a Black Friday movimentará R$ 2,2 bilhões, um crescimento estimado de 15%-20% em relação ao ano passado. Cerca de 60% dos consumidores planeja realizar suas compras durante a campanha, contra 16% que compram de forma impulsiva. Na última Black Friday (2016), as principais lojas de grande porte registraram um crescimento de 134% no número de visitas, enquanto as principais lojas de pequeno porte reportaram 161% de aumento no mesmo período.

Devido à importância da data em termos econômicos, criminosos – principalmente os virtuais -, também se aproveitam da data para aplicar seus golpes e tirar vantagem das vulnerabilidades tanto das empresas como dos consumidores. Na Black Friday do ano passado, algumas das táticas mais usadas pelos cibercriminosos foram os cabos USB de carregadores, páginas falsas das grandes redes de varejo e e-mails marketing falsos; bastando apenas compartilhar os links para que os criminosos tivessem acesso aos dados dos usuários.

Diante desse cenário, é necessário tomar algumas medidas de proteção, para não deixar que a experiência de compra se torne um pesadelo. Especialistas em segurança da informação da Blockbit, empresa global de soluções de cibersegurança, dão dicas para empresas e usuários para não cair nas armadilhas virtuais. Confira:

• Use antivírus em todos os seus dispositivos. Desktops, notebooks, smartphones, tablets e qualquer dispositivo que se conecte deve ter um software de proteção ativado. Novas as ameaças digitais aparecem todos os dias e os produtos de cibersegurança atualizam diariamente as assinaturas que mantêm seu software sempre em dia com o cenário digital;

• Certifique-se de que o e-commerce usa protocolo HTTPS e certificados digitais de entidades confiáveis. Nos navegadores da internet, confirme se o e-commerce que você pretende comprar tem as conexões protegidas. Todo endereço de URL que começa com https:// é seguro. Paralelamente, os websites que efetuam transações financeiras, devem fornecer certificados digitais, que garante proteção às transações eletrônicas e outros serviços via internet;

• Use conexões seguras. Nunca se conecte em redes públicas de Wi-Fi, pois essas conexões podem ser alvo de ataques de interceptação de tráfego. Use apenas conexões conhecidas e confiáveis. Se possível, é importante adotar conexões VPN em seus dispositivos. Esse tipo de conexão cria túneis criptografados para conexão entre dois pontos, protegendo suas informações;

• Reporte mensagens suspeitas ao seu serviço de e-mail. Qualquer suspeita de que uma mensagem recebida é uma tentativa de golpe, reporte ao seu serviço de e-mail. Essa medida é importante para ajudar ao fornecedor identificar os IPs e contextos das mensagens que distribuem códigos maliciosos;

• Proteja suas credenciais. Além de criar senhas fortes para acessar os sites da campanha, crie senhas diferentes para cada acesso. Use caracteres variados e especiais (letras, números, símbolos) e evite informações familiares. Porém, o furto de credenciais não acontece apenas por ataques de malware. Práticas como shoulder surfing (quando uma pessoa consegue ver você digitando uma credencial) podem comprometer sua segurança. Certifique-se de que ao incluir suas informações privadas, ninguém pode vê-las. Evite fazer isso em locais públicos. E por fim, não aceite que o navegador grave a sua senha em dispositivos compartilhados.

Sobre Iúri Moreira 595 Artigos
Jornalista, músico, fotógrafo, marido de Isabela, pai de Arthur, fã dos Beatles e do Iron Maiden. Geek e cinéfilo, também é viciado em seriados e games. Nas horas vagas, pode ser encontrado gravando no homestudio, mexendo na moto, cozinhando ou desmontando algum equipamento eletrônico.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*